3.12.04

+ POEMA DE NATAL +

Eu devia abandonar todo aquele queixume.
Mas, olhando p'ra trás,
vejo que me acompanham sulcos deixados.

Caminho de passos enterrados
nesta brancura de dezembro.

Os galhos secos congelam,
cristalizando, as gotas d'água,
ornamentando-as para a chegada do Natal.

Sulcando mais e mais a neve, meus passos
seguem no rumo de lojas já cintilantes.

Predominantemente
o vermelho, o verde e o prateado
adornam os regalos
que meus pés caminham para buscar.

E as músicas que cantaram tantos Natais
elevam, como uma magia,
nós os magos,
ao espirito natalino.

E eu devia enterrar todos aqueles pensamentos
naquele caminho de passos enterrados
naquela brancura de dezembro.

Mas como,
se aquele seria o caminho de volta
de Joãozinho e Mariazinha?

E será sempre o caminho
sem ida e sem volta
dos Joõezinhos e Mariazinhas
que nunca souberam do caminho da Estrela
que lhes trouxesse os Reis Magos e seus presentes.

E eu devia abandonar todos esses pensamentos
naquele caminho de passos enterrados
nesta brancura de dezembro.

Marlene Andrade Martins,
Bloomington, Dezembro de 1995
zakarias @ 10:23 da tarde

________________________________


links; tag-board; posts;
Design By: starwings-